Skip Ribbon Commands
Skip to main content

Notícias

Lisboa

Investimento global em imobiliário terciário alcança cerca de $90 biliões no 1º trimestre de 2011

Volume de investimento estrangeiro cresce 38% em termos homólogos, revela a Jones Lang LaSalle no seu mais recente research


Os números preliminares divulgados pela equipa de Capital Markets Research da Jones Lang LaSalle revelam que os volumes globais de investimento directo em imobiliário terciário totalizaram cerca de $90 biliões no 1º trimestre de 2011. Este valor está cerca de 20% abaixo do trimestre anterior mas 38% acima face a igual período do ano passado, revelando a continuada apetência de um vasto leque de investidores por imobiliário terciário.

Arthur de Haast, Head do International Capital Group da Jones Lang LaSalle, disse: “Continuamos a observar um forte interesse dos investidores, quer privados quer institucionais, por produtos core nas cidades de referência. Contudo, os investidores apenas estão a considerar mercados e produtos com maior risco numa base muito seletiva, estando muitos players à espera para ver mais produtos colocados no mercado pela banca ou os indicadores de mercado mais fortes”.

Na região Ásia-Pacífico, os volumes cresceram quer face ao trimestre anterior quer ao período homólogo. ”Este crescimento continuado testemunha a forte sustentação do mercado desta região. O Japão foi o mercado imobiliário mais ativo, com um excelente início de ano, não obstante a recente tragédia que varreu o país. Os investidores domésticos dominaram a atividade nos restantes mercados core desta região”, notou Stuart Crow, Head de Capital Markets da Jones Lang LaSalle para a Ásia-Pacífico.

Na Europa e Médio Oriente, a atividade abrandou face aos últimos três meses de 2010, mas aumentou em cerca de um quarto em termos homólogos. Richard Bloxom, diretor de Capital Markets EMEA da Jones Lang LaSalle, comenta: “O abrandamento sazonal que se seguiu ao final de ano dinâmico era expectável, particularmente depois de um trimestre marcado por transações de grande dimensão e de elevado perfil. Contudo, face ao início do 2010, todos os principais mercados registaram um aumento nos volumes, particularmente a Alemanha, Polónia, Rússia e Reino Unido”.

No Continente Americano, o volume de atividade caiu ligeiramente face ao trimestre anterior, mas mais do que duplicou em termos homólogos. Em comentário a estes resultados, Steve Collins, Managing Director da Jones Lang LaSalle Americas, disse: “Assistimos a um salto enorme nos volumes de investimento na reta final do ano passado, impulsionado pelo mercado norte-americano, e esperamos um forte ano de 2011. A ligeira queda de atividade neste 1º trimestre resulta do facto dos investidores adotarem uma abordagem de ”esperar para ver”, devido à preocupação de poderem estar perante a uma descida de yields”.

Num olhar sobre os volumes globais, Paul Guest, Diretor do Global Capital Markets Research da Jones Lang LaSalle, disse: “Existem fortes razões para os investidores estarem a olhar o imobiliário terciário: é entendido como um investimento seguro; existem limitações de oferta em muitos mercados de referência; apresentam relações de retorno/risco muito apelativas quando comparados a ativos mais voláteis; exibem níveis de preço ainda atrativos fora de alguns dos mercados prime, que corrigiram antecipadamente; e regista-se mesmo uma retoma quer na emissão de dívida quer na securitização. Esperamos registar um volume de mais $290-310 biliões investidos em imobiliário terciário em todo o mundo até final do ano”.
 
- ends -