Skip Ribbon Commands
Skip to main content

Notícias

Lisboa

Recuperação do Mercado Hoteleiro na região EMEA impulsionada pela crescente confiança dos investidores

De acordo com o mais recente Hotel Investor Sentiment Survey da Jones Lang LaSalle Hotels


O mercado hoteleiro na região EMEA parece estar num caminho sustentado para a recuperação, de acordo com o mais recente Hotel Investor Sentiment Survey, emitido pela Jones Lang LaSalle Hotels. A melhoria das condições de mercado levou os investidores a explorar oportunidades de investimento em hotéis, particularmente em toda a Europa Ocidental. Apenas o Médio Oriente e o Norte de África (MENA) reportaram expectativas negativas a curto-prazo, sobretudo devido às dificuldades políticas.

Mark Wynne-Smith, CEO da Jones Lang LaSalle Hotels na região EMEA, afirma: “A performance do mercado hoteleiro na região EMEA reforçou-se substancialmente nos últimos seis meses. A Alemanha passou a liderar esta região em termos das expectativas de performance de médio-prazo, com Munique e Hamburgo a evidenciarem-se. No Reino Unido, o crescimento é liderado especialmente por Londres. Enquanto as expectativas para algumas cidades regionais do Reino Unido são atualmente prudentes, os investidores revelam expectativas mais otimistas para os próximos dois anos, esperando-se que o principal performer seja o mercado de Edimburgo”.

Apenas poucas cidades na Europa deverão enfrentar um endurecimento das condições, a maioria das quais localizadas na Europa de Leste. Ainda assim, as expectativas para o desempenho do mercado hoteleiro na Europa de Leste melhoraram consideravelmente face ao último inquérito realizado em Outubro de 2010, impulsionadas por cidades como Istambul, Moscovo e Varsóvia, enquanto os resultados da região MENA são menos homogéneos. Em termos de análise por cidade, o crescimento mais expressivo a médio prazo é esperado em Londres, Paris, Istambul, Roma e Munique.

Wynne-Smith continua: “O Turismo em Istambul, Moscovo e Varsóvia expandiu-se rapidamente nos anos mais recentes, encorajando os operadores internacionais e os investidores a marcar uma posição no mercado para beneficiar do seu potencial de rápido crescimento. Na região MENA, o mercado hoteleiro em algumas cidades está atualmente a ser afetado pela instabilidade política, enquanto outras cidades continuam a lutar com um excesso de oferta num mercado turístico fraco, ainda que em recuperação. As cidades de referência continuam a demonstrar uma boa capacidade de resistência e os requisitos dos investidores em termos de yields endureceram em cerca de 40 pontos base nos últimos seis meses, com os investidores confiantes de que estes mercados continuarão a proporcionar um retorno crescente”.
E acrescenta: “Apesar de persistir alguma cautela, as intenções de compra voltaram a ser o sentimento dominante entre os investidores, o que se refletiu na forte apetência durante o 1º trimestre, com os volumes de investimento na região EMEA a crescerem 160 por cento face a igual trimestre de 2010”.

Os principais mercados que continuam a ser selecionados incluem Madrid, Roma, Londres e Paris, com Estocolmo e Copenhaga posicionados para beneficiar do aumento dos gastos corporativos. A preferência de ativos neste mercados foca-se nos hotéis de primeiro nível e médio nível, enquanto os ativos de luxo  são os favoritos na região MENA e na Europa de Leste.

A melhoria das condições do mercado e a crescente confiança dos investidores resultaram numa posição mais favorável para os vendedores no mercado da Europa Ocidental. O inquérito demonstra que existe um maior número de compradores para cada vendedor para mercados como Londres e Paris, mas esta tendência não tem a mesma expressividade nas cidades secundárias. Durante o restante 2011, a confiança continuará a recuperar e a Jones Lang LaSalle Hotels espera um movimento para as localizações secundárias ou fora da Europa Ocidental,  em busca de melhores retornos totais.

Wynne-Smith concluiu: “Todos os sinais apontam para que os investidores vejam mais hotéis em oferta para venda na segunda metade deste ano à medida que os vendedores tirem partido a melhoria nas condições de mercado”.

- ends –