Skip Ribbon Commands
Skip to main content

Notícias

Lisboa - Londres

Valor para os ocupantes na Europa Central e de Leste

Mercados de relocalização posicionados para auxiliar a região a enfrentar tempos económicos difíceis


Apesar das noticias negativas sobre as economias da Europa de Leste, o novo relatório da Jones Lang LaSalle – “Onshore, Nearshore, Offshore: Unsure? A Central European Perspective”, oferece uma visão positiva aos ocupantes, sublinhando a atractividade dos mercados da Europa Central e de Leste (ECL) para os inquilinos e proprietários nos próximos 3 anos. O diagrama abaixo mostra que, em média, as capitais dos quatro países oferecem uma conjugação entre condições de mercado relativamente equilibradas e condições de mercado favoráveis aos inquilinos. Budapeste e Varsóvia são particularmente favoráveis aos inquilinos, a primeira em 2009/2010 e a segunda em 2010/2011, caracterizadas por rendas em decréscimo e crescimento das taxas de disponibilidade.

Bucareste e Praga estão também posicionadas para serem vantajosas em 2010. Bucareste deverá mudar a favor do proprietário apenas em 2012, enquanto que para o período anterior de três anos, a Jones Lang LaSalle prevê que as condições de mercado para inquilinos e proprietários permaneçam equilibradas em todas as cidades.
 
Apesar de existir uma variação do equilíbrio entre indicadores e factores influenciadores que modelam as decisões de localização dos negócios, quatro factores chave – politico-económico, laboral, imobiliário e infra-estruturas, e ambiente empresarial – são elementos que, quando analisados cautelosamente, podem apresentar boas oportunidades mas, paralelamente, podem também expor os ocupantes a riscos potenciais.

John Duckworth, Managing Director da Jones Lang LaSalle na ECL, comenta: “Preparada para o agravamento da recessão global, a região da ECL, apesar de afectada, continuará a atrair investimento corporativo. A região possui uma força laboral altamente letrada, com diversas competências e multilingue, além de apresentar custos laborais inferiores aos da Europa Ocidental. Os promotores imobiliários activos na ECL compreendem as necessidades em constante mudança dos ocupantes e estão a desenvolver imóveis modernos, flexíveis e com elevados requisitos a preços competitivos”. 
E conclui: “As empresas estão, cada vez mais, a descobrir que as estratégias de relocalização são críticas para melhorar os seus resultados.
 
A ECL tornou-se uma localização altamente competitiva à escala global para as empresas, quando estas estão a delinear as suas decisões de oursourcing dos processos de negócio e dos centros de serviços partilhados. Com o continuo desenvolvimento da região, associado às claras vantagens em termos de custos, factores laborais e risco, acreditamos que esta tendência deverá acelerar”.
 
Nota aos Editores:
Para além da Jones Lang LaSalle, este relatório contou com o contributo da Grafton Recruitment e das quatros agências de investimento PAlilZ, Czech Invest, ITDH e ARIS.