Skip Ribbon Commands
Skip to main content

Notícias

Lisboa

Research imobiliário europeu da Jones Lang LaSalle antecipa vitória de Portugal no Euro 2012

• Os indicadores imobiliários europeus para o retalho, escritórios e industrial ajudam a prever os resultados dos jogos do Euro• Os eventuais vencedores de 2012 deverão integrar “grupo da morte”, mas não serão os favoritos como a Alemanha ou a Holanda.


Um estudo desenvolvido pela equipa de research da região EMEA (Europa, Médio Oriente e África) da consultora imobiliária Jones Lang LaSalle prevê que Portugal, atualmente classificado no 5º lugar do ranking da FIFA, vai ganhar o campeonato Europeu de Futebol, que se inicia esta semana.
   
Apesar de estar integrado no Grupo B, o chamado “grupo da morte” e que inclui a Alemanha, a Holanda e a Dinamarca, considerando a análise de indicadores imobiliários em torneios anteriores, a consultora revela que Portugal tem uma forte possibilidade de ter um bom desempenho na competição em 2012, e poderá, em última análise, ganhar o Euro, com uma vitória renhida sobre a Croácia no final.

Com base num leque variado de indicadores imobiliários que incluem retorno do investimento, valor das rendas e taxas de disponibilidade de espaços (Ver detalhes abaixo), o estudo antecipa ainda que a Inglaterra e a Rússia sejam as duas outras seleções a atingir as meias-finais.

De forma surpreendente, a Espanha – Campeão Mundial e Europeu em título – e a Alemanha, uma das seleções favoritas, que muitos anteveem serem fortes candidatas à vitória, não deverão passar a fase de grupos, e serão eliminados por seleções que apresentam indicadores de imobiliário diferentes.

A vantagem dos anfitriões também não deverá ser de utilidade este ano. Os dois países que acolhem o Euro – nomeadamente a Polónia e a Ucrânia e que são as duas seleções em prova com as piores posições no ranking da FIFA (65º e 50º lugares, respetivamente) – não deverão, igualmente, sobreviver à fase de grupos.

Robert Stassen, Head de Capital Markets Research da Jones Lang LaSalle na região EMEA, disse: “Enquanto todos os olhos no mundo estão postos em estrelas como Ronaldo, Rooney ou Robben, um olhar mais atento aos indicadores do imobiliário em cada país revela padrões muito interessantes nos resultados de torneios anteriores. Isto significa que podemos traduzir o desempenho do imobiliário e prever as performances no campo de futebol. Poderá ser pura fantasia no futebol, mas poderá auxiliar aqueles que estão a tentar prever os resultados, e demonstra também a importância de perceber a performance do imobiliário”.

Pedro Lancastre, Diretor Geral da Jones Lang LaSalle Portugal, comenta: "É um estudo divertido e inovador desenvolvido pelo nosso research central EMEA baseado em Londres, que, neste caso, nos coloca em destaque pela positiva. Correlaciona os vários indicadores imobiliários dos mercados com presença no EURO 2012 com o desempenho das equipas dos respectivos países em competições passadas. Seria fantástico se estas previsões se concretizassem, pois, além de um motivo de grande orgulho para todos os portugueses, daria ao nosso país uma boa projeção internacional, algo que bem precisamos”.


As previsões da Jones Lang LaSalle para o Euro 2012

Grupo A: Historicamente, os países que têm as yields (taxas de rentabilidade) mais elevadas no imobiliário industrial e de logística têm tido melhor performance e sobrevivem à fase de grupos. Com prime yields de dois dígitos para os imóveis industriais na Rússia e crescimento das prime yields na Grécia ao longo dos 12 últimos meses, esperamos que a Polónia e a República Checa sejam eliminados nesta fase.

Grupo B: Durante os campeonatos europeus mais recentes, países com taxas de disponibilidade de espaços de escritórios mais elevadas lideraram as fases de grupos. Com base nesta tendência, e com pipelines de promoção fortes e níveis de arrendamento de escritórios reduzidos, Portugal e a Holanda deverão triunfar sobre a Dinamarca e a Alemanha, com taxas de disponibilidade de 12 e 17%, respetivamente, comparando com as disponibilidades de 10% na Dinamarca e 8% na Alemanha.

Grupo C: Tendo em conta competições anteriores, países com rendas e valorização fortes dos imóveis de escritórios, registaram melhores desempenhos em campo. Se esta tendência se mantiver em 2012, a Espanha, atualmente líder do ranking mundial da FIFA, irá falhar a qualificação no seu grupo. A Croácia deverá liderar o grupo, com a Itália a assumir a segunda posição, apesar dos atuais rumores de combinação de resultados de jogos na liga italiana, e derrotando assim a Irlanda.

Grupo D: Curiosamente, países com uma performance mais fraca nos retornos dos imóveis de comércio têm tido um bom desempenho em campo. O impacto da austeridade em grande parte da Europa tem vindo a reduzir o consumo, e a influenciar o desempenho do imobiliário de retalho. O cenário positivo para a capacidade de consumo na Suécia sugere que este país possa perder para a Inglaterra e a França, nos quais os retornos do retalho deverão decrescer. A Ucrânia deverá também perder para estes dois países.

Previsões para a fase de eliminatórias

Quartos de Final: A primeira fase de eliminatórias foi anteriormente determinada pela valorização dos imóveis industriais. Os países com o crescimento mais acentuado deste indicador foram os que passaram às meias-finais. Um setor industrial em crescimento na Europa Central e de Leste levam a que a Rússia e a Croácia eliminem a Holanda e a França, que têm mercados mais maduros. Apesar das previsões de crescimento nulo para a Inglaterra, esta performance deverá ser suficiente para passar esta fase à medida que o valor dos imóveis industriais em Itália registe um declínio. O jogo entre Portugal e a Grécia será renhido, mas deverá ser Portugal a prosseguir.

Meias-Finais: As rendas prime de escritórios foram o fator decisivo nesta fase durante torneios anteriores, com os mercados mais favoráveis aos inquilinos a passarem à fase final. A escassez de oferta pressionou as rendas na zona Central de Londres, o que sugere que a Inglaterra, com rendas prime na ordem dos €1.200/m²/ano, deverá perder para Portugal no qual as rendas prime estão a um sexto desse valor, nomeadamente nos €200/m²/ano. Por outro lado, o crescimento substancial de rendas em Moscovo em 2011, indica a vitória da Croácia, rumo à final.

Final: Tal como no Grupo D, e com base em resultados passados, o desempenho no segmento do retalho indica o vencedor da prova. Contudo, desta feita, será o país com a melhor performance no comércio de rua e as rendas prime mais elevadas a triunfar e ser campeão do Europeu 2012. A final deverá assim ser um jogo renhido, já que as rendas prime de comércio de rua são de €1.020/m²/ano na Croácia e de €1.080/m²/ano em Portugal. Portugal será assim vencedor após um jogo muito disputado e conseguirá superar o seu resultado de 2004, quando foi vice-campeão da prova.

Robert Stassen, Head de Capital Markets Research da Jones Lang LaSalle na região EMEA, disse: “ Apesar de uma economia em dificuldades, com perspectivas negativas do crescimento do PIB para os próximos anos, Portugal tem uma historial de bom desempenho em torneios europeus. Alcançaram os quartos de final em 2008, foram vice-campeões em 2004 e chegaram às meias finais em 2000. Esperamos que possam ter o seu melhor resultados de sempre desta vez”.

“É interessante ver como uma análise do imobiliário pode gerar alguns resultados surpreendentes. As previsões de performances fracas do atual campeão europeu (Espanha) e de um dos favoritos da prova (Alemanha), respetivamente no 1º e 2º lugares do ranking da FIFA, também prova que nada está definido à partida e que no mundo do imobiliário, como no futebol, um jogo tem sempre duas partes”.

- ends-

Explicação dos resultados:

As previsões da Jones Lang LaSalle para o Campeonato Europeu de Futebol 2012 baseiam-se na análise de resultados dos jogos em competições anteriores, comparados com dados de longo-prazo da Jones Lang LaSalle referentes à performance da economia e indicadores de investimento imobiliário em escritórios, retalho e industrial em cada país.
 
Os dados imobiliários reportam-se às cidades capital de cada país. Por exemplo, Londres representa Inglaterra e Lisboa representa Portugal.