Skip Ribbon Commands
Skip to main content

Notícias

Lisboa

Mercado imobiliário português pouco dinâmico no 1º trimestre de 2012

Estudo trimestral da Jones Lang LaSalle Portugal analisa performance dos mercados de escritórios, retalho e investimento


 

O mercado imobiliário português revelou, no 1º trimestre de 2012, uma performance pouco dinâmica, desempenho que foi transversal aos segmentos de escritórios, retalho e investimento revela o “Portugal Market Pulse”, relatório da Jones Lang LaSalle Portugal que analisa os resultados do setor imobiliário nacional em cada trimestre.
 
O decréscimo do PIB e do consumo privado e o aumento do desemprego, que continuaram a agravar-se neste 1º trimestre, são fatores que estão a influenciar de forma negativa o mercado imobiliário, o qual registou menores níveis de atividade quer no arrendamento de escritórios quer nas operações de investimento, destacando-se ainda o retalho, no qual a nota é de estagnação em termos de abertura de novos empreendimentos. O segmento “estrela” parece ser o comércio de rua, que nos últimos dois anos tem vindo a emergir como uma alternativa sustentável no mercado de retalho, e que registou, neste primeiro trimestre, a abertura de novas lojas em Lisboa, além de prosseguir a tendência de crescimento das rendas.
 
Pedro Lancastre, Diretor Geral da Jones Lang LaSalle Portugal, sublinha: “Conforme previmos no nosso relatório anual, os níveis de atividade do mercado imobiliário iniciaram o ano em baixa, sendo que, por norma e historicamente, o primeiro trimestre é quase sempre o período menos dinâmico do ano. Com os indicadores económicos a manterem a sua tendência de agravamento, obviamente que o setor imobiliário acusa o impacto de forma negativa, especialmente nos mercados de ocupação de escritórios e de retalho, com as vendas em muitos centros comerciais a decaírem, influenciadas pelas baixas no consumo e no poder de compra. O investimento continua a sofrer com ausência de investidores estrangeiros, que aguardam sinais de retoma para voltar ao mercado”.

E acrescenta: “Apesar da certeza de que o ano de 2012 será um ano especialmente difícil para o imobiliário e, aliás, para todos os sectores da economia portuguesa, é importante extrair oportunidades de um momento como o atual. Este poderá ser um ano de bons negócios para players que disponham de capitais próprios, já que existem no mercado ativos imobiliários de grande qualidade e com preços muito competitivos, quer estejamos a falar de compras para investimento, onde os preços caíram pelo menos 30% e o ajuste tem sido muito notório no decorrer do ano, quer estejamos a falar de operações de arrendamento”.

De acordo com o relatório trimestral da Jones Lang LaSalle, o mercado de escritórios de Lisboa registou um volume de absorção de 13.208m²  no 1º trimestre, evidenciando uma quebra trimestral (-85%) e homóloga (-6%). Sublinhe-se, no entanto, que a tendência ao longo do trimestre foi de crescimento, com os meses de fevereiro e março a apresentarem subidas na absorção. Ao longo do trimestre, a zona 6 (Corredor Oeste) foi a mais dinâmica, concentrando 5.201 m² dos arrendamentos realizados, sendo o Lagoas Park, localizado nesta zona, palco de duas das três maiores transações ocorridas no mercado.
 
Estas duas operações (no total de 1.755 m²) foram assessoradas pela Jones Lang LaSalle, que interveio aliás nas três maiores operações realizadas no mercado no trimestre, incluindo, além das duas já referidas, um arrendamento de 1.010 m² na Torre Ocidente. O stock de escritórios situou-se no final do trimestre nos 4,5 milhões de m², sofrendo um aumento de 1,26% resultante da conclusão de um único edifício, nomeadamente, o 50 Office, com 2.830 m² de abl. Este crescimento refletiu-se na taxa de disponibilidade, que aumentou, ainda que ligeiramente, para os 12,15%. As rendas, por seu turno, mantiveram-se estáveis em termos trimestrais, com a renda prime da zona 1, a referência do mercado, a situar-se abaixo dos 20€/m²/mês.
 
No retalho, a nota é de estagnação, não se registando a abertura de novos centros comerciais, uma tendência que aliás deverá perdurar ao longo de todo o ano. A maturidade do próprio mercado, a conjuntura económico-financeira recessiva e as quebras do consumo privado são os principais fatores a influenciarem esta estagnação, especialmente visível nos centros comerciais secundários. No segmento dos centros comerciais, a procura por parte dos retalhistas continua sobretudo dirigida a shoppings prime.

Em contraciclo, encontra-se o segmento de comércio de rua, com a abertura de novas lojas e uma procura ativa, quer por parte dos retalhistas quer por parte do consumidor final. No 1º trimestre de 2012, a Gucci e a Stivali, esta última assessorada pela Jones Lang LaSalle, abriram lojas na Avenida da Liberdade, uma artéria cada vez mais procurada por insígnias nacionais e internacionais de luxo e com uma importante representatividade dos países dos BRIC e PALOP entre os consumidores. O Chiado continua a registar grande procura, com as aberturas da Skinlife e da Tartine neste 1º trimestre de 2012. A Baixa foi a zona com a abertura de maior número de lojas no trimestre, acolhendo agora novos espaços da CAT Merrell, da Boulangerie by Stef e da Padaria Portuguesa, que abriu ainda outra loja no mesmo período na Av. Duque D’Ávila. Sem grandes surpresas, as rendas no comércio de rua têm vindo a percorrer um caminho ascendente e neste trimestre rondavam, em média, os 90€/m²/mês, alcançando assim o mesmo nível praticado nos centros comerciais que se tem mantido estável. Já no caso dos retail parks, as rendas têm vindo a decrescer, ficando no 1º trimestre abaixo dos 10€/m²/mês.

O investimento é igualmente pautado por uma atividade reduzida. No 1º trimestre de 2012 foram transacionados 42 milhões de euros no mercado nacional, repartidos em 3 operações e em resultado de compras realizadas apenas por investidores portugueses. Este nível situa-se quer abaixo do trimestre homólogo (em torno dos 70 milhões de euros) quer do trimestre anterior (em torno dos 50 milhões de euros). De acordo com o relatório da Jones Lang LaSalle, os investidores privados – particularmente os  family offices e os investidores oportunísticos – continuam a ser uma força importante da procura. Contudo, para os investidores internacionais, em especial os alemães, a economia nacional continua a ser o principal indicador e não será expectável que estes regressem antes de um maior grau de certeza quanto à retoma da mesma. Relativamente à oferta, existe no mercado uma panóplia de ativos prime, com excelentes condições de atividade, sendo os sectores de escritórios, retalho e logística os preferidos pelos investidores, que elegem as operações de sale & leaseback. As áreas de saúde e hotelaria são também analisadas por alguns investidores especializados.

“Os Family Offices, bem como os investidores oportunísticos vão continuar a crescer como franja da procura de investimento. Os Family Offices consideram que o atual risco do país pode constituir uma boa oportunidade, demonstram interesse por ativos prime, bem localizados com ocupantes com baixo grau de risco e contratos de arrendamento longos, sem opções de denúncia. Por outro lado, existe no mercado um conjunto de ativos considerados secundários, com algum grau de risco, mas com potencial de valorização a médio/longo prazo, que poderão ser interessantes para determinados investidores de caráter oportunístico, a um preço ajustado”, conclui Pedro Lancastre.
 
 
- ends –