Skip Ribbon Commands
Skip to main content

Notícias

Lisboa - Londres

Jones Lang LaSalle e Experian lançam Rankings Europeus de Retalho conjuntos

Londres e Paris lideram liga europeia das localizações de retalho


A Jones Lang LaSalle e a Experian lançaram os «European Retail Centre Rankings 2009», que, pela primeira vez, reflectem a relação entre o consumo nas cidades Europeias e as rendas prime de retalho. Os novos rankings foram traçados para fornecer aos investidores, promotores e retalhistas uma ferramenta essencial na identificação das melhores oportunidades de localização de retalho na Europa. A análise combinada das duas variáveis permite, ao estudar o potencial de uma cidade em termos de retalho, perceber a qualidade do consumo desta e os níveis de retorno que os retalhistas podem obter.

Londres e Paris, que ocupam a primeira e segunda posições nos rankings em termos de consumo, registam algumas das rendas prime mais elevadas. Itália, Alemanha e Espanha apresentam duas localizações de retalho cada no top 10, enquanto Moscovo é a única cidade da Europa Central e de Leste a constar nesses 10 primeiros lugares. Roma, no 3º lugar, supera Milão como a principal localização italiana, graças à sua importância como destino turístico e à relativa falta de concorrência face à sua oferta comercial de rua. Em ambas as cidades, as rendas para as unidades super-prime podem alcançar níveis equiparáveis com as rendas habitualmente registadas em Paris e Londres, apesar do seu nível médio de rendas ser bastante inferior. 

O domínio de Londres no panorama de retalho do Reino Unido é evidente, sendo Glasgow a outra única cidade britânica a constar no top 20. Contrariando a ideia pré-concebida de que o Reino Unido é um mercado ocupacional caro, as localizações afastadas de Londres têm níveis de rendas prime de comércio de rua comparáveis à generalidade das rendas europeias, apesar das rendas do Reino Unido estarem de momento bastante mais baixas do que habitualmente face as outras cidades europeias, devido às flutuações das taxas de câmbio.

Na Alemanha, apesar do consumo ser mais elevado em Berlim, os níveis de renda são bastante mais elevados em Munique e em Frankfurt. Esta realidade reflecte a forte procura de espaços e a elevada qualidade do mix de retalhistas, sendo, por isso, Munique considerada a principal localização de comércio na Alemanha. Do mesmo modo, Dusseldorf classifica-se na 43ª posição em termos de consumo, mas tem uma oferta de retalho de luxo muito expressiva, com o 13º nível de rendas na Europa, e regista um consumo per capita em consonância.

Lisboa ocupa o 30º lugar do ranking e, de acordo com Manuel Puig, Director Geral da Jones Lang LaSalle (Portugal), “esta posição reflecte as dificuldades que os operadores de retalho têm vindo a encontrar para implantar as suas lojas nos principais eixos comerciais da cidade. Com a nova lei do arrendamento e o retorno da apetência dos operadores para se implementarem no down town, antevemos um potencial interessante que fará com Lisboa venha a subir posições neste ranking”. 

As localizações da Europa Central e de Leste (ECL) contabilizam apenas cerca de 10% do Top 50, demonstrando que apesar do boom registado na promoção nos últimos anos, as zonas de comércio de rua continuam a ter falta de qualidade e de quantidade do stock de retalho face às cidades da Europa Ocidental. As disparidades no consumo per capita são também uma limitação no número restrito de cidades da ECL a constar no top 50. Apesar disso, Praga, Istambul e Budapeste estão bem classificadas, devido à oferta de centros comerciais nas localizações de comércio de rua.

Estocolmo (26ª posição) e Helsínquia (27ª posição) têm rendas comparativamente mais baixas do que as suas congéneres na Europa Continental, devido, em parte, à procura historicamente mais fraca por parte dos retalhistas internacionais (principalmente por razões de logística), apesar de esta ser uma realidade em mudança.

Fora do top 25, é pouca a diferença entre as diversas localizações classificadas, com Varsóvia (52ª) e São Petersburgo (65ª), por exemplo, a terem um consumo na área de influência semelhante à de cidades melhor classificadas como Antuérpia (50ª) e Bordéus (46ª). As primeiras estão abaixo do top 50 devido, em parte, à baixa provisão de espaço nas localizações de comércio de rua e à concorrência por parte dos centros comerciais regionais. 

Jonathan de Mello, Director de Retail Property Consultancy da Experian, comenta: “Os nossos rankings de retalho pan-europeus, associados aos dados de rendas da Jones Lang LaSalle, disponibilizarão aos investidores imobiliários e retalhistas uma perspectiva única sobre os melhores centros de retalho na Europa. Os rankings são ponderados e não apenas criados com base em médias temporais, e como tal têm em conta o efeito da competitividade – crucial em mercados com uma oferta substancial de retalho nas periferias das cidades, como são os casos de Berlim, Madrid e Lisboa. O nosso ranking disponibiliza o mais completo panorama dos centros de retalho em toda Europa”.

James Dolphin, Director do Pan European Retail Agency da Jones Lang LaSalle, afirma: “Os Euro Rankings constituem um passo importante para estabelecer e comparar a capacidade do consumo de retalho nas principais cidades europeias. Esta é uma base essencial para estudar as oportunidades para retalhistas, promotores e investidores. Mas não se trata apenas de dimensão: perceber os níveis de renda é igualmente importante. Combinando ambos e aplicando o nosso conhecimento em cada mercado, podemos perceber melhor a qualidade do ambiente de retalho, a procura e disponibilidade de espaços, e fornecer, em última análise, um guia que permita ajudar a determinar o retorno das operações. Como sempre, trata-se de um conhecimento local e de perceber integralmente as características específicas da procura e da oferta em cada localização”.

A Experian analisou os níveis de consumo de retalho nos principais destinos europeus, em simultâneo com os dados de rendas da Jones Lang LaSalle. Os Rankings europeus são criados a partir dos recursos globais de informação da Experian. Para cada cidade, os rankings consideram, consumo externo, diferenças de consumo per capita entre países, oferta de retalho e os efeitos da competitividade do comércio na periferia das cidades.
 
Estes rankings pretendem oferecer aos retalhistas e investidores uma ferramenta importante de contabilização de trocas comerciais geradas nas principais cidades europeias. O modelo de ponderação é traçado com base no posicionamento da Experian como um dos principais fornecedores de informação sobre retalho, previsões económicas e consultoria.