Skip Ribbon Commands
Skip to main content

Notícias

Lisboa

Office Flashpoint: Absorção de escritórios cresce 17% até maio


A JLL acaba de divulgar a sua mais recente análise ao mercado de escritórios de Lisboa, com os resultados de maio do Office Flashpoint.

No mês em análise foram transacionados 5.895 m² de espaços de escritórios em Lisboa, elevando para 38.013 m² os níveis de absorção no acumulado do ano entre janeiro e maio. Estes valores traduzem um crescimento homólogo de 17% em relação aos 32.584 m² absorvidos nos primeiros cinco meses de 2014, e de 28% face ao nível de absorção registado em maio de 2014 (4.591 m²).

Até final de Maio, a JLL garantiu uma quota de mercado de 28% na absorção de escritórios.

Sucedendo a um mês de abril pouco dinâmico (2.659 m²) e que foi de quebra face a um mês de março muito ativo (10.307 m²), em maio a nota voltou a ser de crescimento, com os níveis de absorção a superarem em 122% a performance do mês anterior.
Numa análise geográfica, e pelo terceiro mês consecutivo, o Parque das Nações (Zona 5) voltou a destacar-se como a zona mais ativa do mercado de Lisboa, concentrando 38% da área total absorvida em maio (2.243 m²), seguido do Corredor Oeste (Zona 6), com uma quota de 28% (1.663 m²). Este cenário confirma uma vez mais a tendência observada no mercado de Lisboa desde o início de 2015, com as duas zonas a exibirem uma quota de 29% cada no acumulado do ano, seguidas pelo CBD (Zona 2) e pelo Prime CBD (Zona 1), com quotas de 19% e 12%, respetivamente. De salientar que em 2015 não foram registadas operações de tomada de novos espaços de escritórios na Zona Secundária de Escritórios (Zona 4).

Olhando para a dinâmica por setores de atividade, em maio as empresas do setor “Outros Serviços” foram as mais ativas na tomada de novos espaços de escritórios com uma quota de 38%, incluindo as três maiores operações fechadas neste mês. Seguiram-se os setores de “TMT’s & Utilities” e as de “Serviços a Empresas”, com quotas de 22% e 13%, respetivamente. No acumulado do ano, o setor mais ativo na procura foi dos “Serviços a Empresas”, pesando cerca de 23% (8.773 m²) na absorção total do período, seguido dos setores de “TMT’s & Utilities” (7.094 m²) e de “Produtos de Consumo” (6.345 m²), com quotas de 19% e 17% respetivamente.

O Office Flashpoint da JLL sublinha a evolução positiva da área media por transação, que em maio se cifrou nos 393 m², comparando com os 306 m² registados por este indicador no mesmo mês de 2014. Entre janeiro e o final de maio foram concluídas 90 operações no mercado de Lisboa, menos 6 que em igual período do ano passado, mas com a área média por operação a cifrar-se nos 422 n², ou seja, 24% acima dos 339 m² registados em igual período de 2014.

Refira-se ainda que a “Mudança de Edifício” foi a principal motivação para a tomada de espaço de escritórios em maio (3.215 m²), com 55% da absorção, seguida pela “Expansão de Área” (2.188 m²), com um peso de 33%. A chegada de “Novas Empresas” ao mercado foi responsável por uma fatia de apenas 8% da absorção do mês. Este cenário reflete a tendência registada desde o início do ano.