Skip Ribbon Commands
Skip to main content

Notícias

Lisboa

Europa: o berço das “Novas Cidades Mundiais” modernas, revela a JLL

Copenhaga, Munique e Barcelona são apenas algumas das cidades que estão a obrigar as principais cidades a competir na atração de investimento e pessoas, revela o novo relatório da JLL


​A Europa é uma incubadora para as cidades globais modernas, concentrando sete dos destinos que integram o top 10 das “Novas Cidades Mundiais”, de acordo com o novo research da JLL em parceria com a Business of Cities.

O novo relatório Globalisation and Competition: The New World of Cities revela como é que cidades europeias como Berlim, Oslo e Hamburgo estão agora a competir abertamente com Cidades Mundiais Estabelecidas como Londres e Paris.

Classificadas por referência aos principais índices*, estas Novas Cidades Mundiais, como o relatório as apelida, são ágeis, ultra-tecnológicas e inovadoras, denotando um novo modelo do que significa ser simultaneamente uma cidade global e habitável. Comparativamente às Cidades Mundiais Estabelecidas – estas últimas fortemente globalizadas e que atraem a maior percentagem de serviços financeiros e empresariais, caso de Londres, Nova Iorque, Paris e Tóquio – as Novas Cidades Mundiais não têm a mesma escala nem as mesmas funções enquanto grandes destinos de investimento, mas evoluíram como centros especializados para a tomada de decisão e para os setores de conhecimento intensivo, bem como através da promoção de uma elevada qualidade de vida.


“As Novas Cidades Mundiais exibem um conjunto diversificado de forças que lhes conferem vantagens competitivas em relação às Cidades Mundiais Estabelecidas e Emergentes”, disse Rosemary Feenan, head of Global Research Programmes na JLL. “A sua menor escala torna-as muito ágeis e atraem muitos millennials; a faixa demográfica que procura imobiliário menos convencional, que prefere imóveis com caráter, uma forte cultura tecnológica e que oferecem uma maior qualidade de vida”.

As fortes capacidades de inovação e a riqueza tecnológica podem ser encontradas nas Novas Cidades Mundiais da Alemanha e dos Países Nórdicos, como Munique, Berlim e Oslo, e com Copenhaga, Viena e Hamburgo a ocuparem posições elevadas nos rankings que classificam a qualidade de vida e o talento. Em Espanha, o forte apelo cultural da Nova Cidade Mundial de Barcelona e a sua reputação global fortalecem agora a sua competitividade no palco mundial.

Relativamente à sua dimensão económica, estas cidades atraem uma percentagem desproporcional de investimento global à medida que os investidores olham para além do grupo core das Cidades Mundiais Estabelecidas e Emergentes e consideram cada vez mais nas suas estratégias de investimento, fatores como a habitabilidade, a sustentabilidade e a competitividade tecnológica.

Estas cidades irão liderar na oferta de edifícios inteligentes e energicamente eficientes, segundo o relatório, e os investidores estão a olhar para elas com cada vez maior atenção à medida que estas começam a competir a uma escala global.

Top 10 das Novas Cidades Mundiais:
1.    Copenhaga
2.    Viena
3.    Munique
4.    Montreal
5.    Oslo
6.    Hamburgo
7.    Toronto
8.    Barcelona
9.    Berlim
10.    Vancouver

'New World Cities' in major indices - Performance of selected 'New World Cities' across seven indices
Source: fDi, 2014-15; 2thinknow, 2014; AON, 2013; Mercer, 2015; City RepTrak, 2014; ICCA, 2014; Euromonitor, 2015


Notas aos Editores:

* “Novas Cidades Mundiais” nos principais índices - Performance das Novas Cidades Mundiais  de acordo com sete índices diferentes
Fonte: fDi, 2014-15; 2thinknow, 2014; AON, 2013; Mercer, 2015; City RepTrak, 2014; ICCA, 2014; Euromonitor, 2015
O Centro de Research das Cidades da JLL é sustentando por 12 anos de research pioneiro sobre o tema das cidades e reúne os recursos e o conhecimento da empresa sobre as cidades em todo o mundo para auxiliar os clientes a compreender o novo mundo das cidades e a identificar novas oportunidades.