Skip Ribbon Commands
Skip to main content

Notícias

Lisboa

Estabilização do mercado e volatilidade global abrandam investimento imobiliário mundial

Na região EMEA, os países Nórdicos, o Benelux e a Europa Central de Leste contrariam a tendência, registando crescimentos homólogos


​Os volumes de investimento imobiliário a nível global desceram no 1º trimestre deste ano, em linha com um sentimento de mercado menos positivo, revelam os dados preliminares da JLL referentes aos fluxos globais de capital. Contudo, algumas regiões continuam a registar bolsas de crescimento, esperando-se, desta forma, que a atividade global de 2016 fique em linha com os níveis observados em 2015. No caso da região EMEA (Europa, Médio Oriente e África), o volume transacionado ficou 20% abaixo do mesmo período do ano passado, mas os países Nórdicos, o Benelux e a Europa Central e de Leste registaram, ainda assim, crescimentos homólogos.

O volume de investimento transacionado no 1º trimestre a nível global caiu 17% face ao mesmo trimestre do ano passado para $128 biliões (€112 biliões). Este volume compara com os $154 biliões (€135 biliões) registados nos primeiros três meses do ano passado, que foi o início de ano mais forte neste ciclo recente de seis anos.

“O crescente nível de volatilidade e a aversão ao risco sentidos nas primeiras quatro/cinco semanas de 2016 acabaram por coincidir com o facto deste trimestre ser habitualmente o mais calmo do ano, o que, em conjunto, contribuiu para que os resultados destes primeiros três meses de 2016 parecessem mais fracos” disse David Green-Morgan, Director de Global Capital Markets Research da JLL.
“Ainda assim, a recuperação foi particularmente rápida e os mercados de capitais estão a regressar aos níveis do início de janeiro, e também os spreads no financiamento comprimiram de novo. O capital continua por gastar e deverá será aplicado à medida que formos avançando no ano, levando-nos a acreditar que  a atividade de 2016 ficará, de modo geral, em linha com a de 2015, ou seja, em torno dos $700 biliões (€615 milhões)” acrescentou Green-Morgan.

Destaques Regionais:

Continente Americano: Mercado canadiano mais resiliente
O volume transacionado no Continente Americano está 16% abaixo do registado no mesmo período do ano passado, fixando-se no final do 1º trimestre de 2016 em $61 biliões (€53,5 biliões). Os EUA refletiram o mesmo nível de decréscimo que o mercado regional, com uma queda de 16%, mas o mercado canadiano contrariou a tendência, apresentando uma queda moderada de apenas 3%. Os mercados da América Latina foram os mais afetados, com quedas de 81% no Brasil e 57% no México.

EMEA: Queda no Reino Unido mas ganhos nos Nórdicos
Os volumes de investimento na Europa estão 20% abaixo do 1º trimestre de 2015 se analisados em dólares, ficando-se em $46 biliões (€40 biliões), com a França e o Reino Unido a registarem as quedas mais acentuadas entre os principais mercado, com descidas de, respetivamente, 30% e 37%. A Alemanha registou uma performance ligeiramente melhor, com uma queda de 7%, enquanto os Países Nórdicos, Benelux e a Europa Central e de Leste registaram ganhos homólogos.

A análise realizada pela JLL Portugal para o mercado nacional mostra que o nosso país se destaca pela positiva, contrariando também a queda regional sentida na Europa. De acordo com os dados apurados pela consultora, no 1º trimestre de 2016 o mercado de investimento imobiliário português transacionou €570 milhões, num expressivo crescimento de mais de 225% face aos €175 milhões investidos no mesmo período do ano passado.

Ásia – Pacífico: Austrália, Hong-Kong e Coreia do Sul em crescimento

Os volumes da região Ásia-Pacífico estiveram 16% abaixo do 1º trimestre de 2015, em torno dos $21 biliões (€18 biliões), com a atividade a mostrar-se bastante divergente nos diversos mercados da região. A Austrália e Hong Kong registaram crescimento face ao mesmo período do ano passado e também na Coreia do Sul a atividade melhorou. Já a China e o Japão registaram um declínio na comparação homóloga e a maioria dos mercados emergentes desta região estiveram abaixo dos níveis observados no 1º trimestre de 2015.

Nota
Os dados completos dos fluxos globais de investimento estarão disponíveis na semana que começa a 25 de abril.
Para acompanhar esta história no Investor da JLL, clique aqui