Skip Ribbon Commands
Skip to main content

Notícias

Lisboa

Office Flashpoint: Quase metade dos escritórios ocupados em Lisboa no 1º trimestre foram transacionados pela JLL

Atividade do mercado cresceu 23% para 39.899 m2 neste período


​Confirmando a dinâmica de crescimento que se vive no mercado de Lisboa, a equipa de Office Agency & Corporate Solutions da JLL garantiu a ocupação de 17.954 m² de escritórios no 1º trimestre de 2016, ou seja, cerca de 45% da área total absorvida desde início do ano. De acordo com o mais recente Office Flashpoint da consultora, as empresas ocuparam 39.899 m² de escritórios neste período, num aumento de 23% face ao 1º trimestre de 2016.

“O ano começou com o mercado de escritórios bastante ativo e a tendência de transações de grande dimensão manteve-se, com nove operações acima dos 1.000 m² nestes três meses. Muitas destas operações são referentes a mudanças de edifício, já que as empresas viram neste momento de mercado, em que ainda existem alguns edifícios novos ou em localizações prime, uma boa oportunidade para mudar de instalações”, comenta Mariana Rosa, Diretora do Departamento de Office Agency & Corporate Solutions da JLL.

São os casos da mudança de escritórios de uma sociedade de advogados e do Bankinter para os edifícios Marquês de Pombal 12 e 13, ambas as operações a cargo da JLL; mas também da mudança de edifício da Janssen Cilag para o edifício do Lagoas Park, concluído no início do ano passado; e da ocupação pela Farfetch da última fração disponível no Edifício D. Luis I, concluído no último trimestre de 2016.

De acordo com a análise da JLL e em reflexo desta tendência, a mudança de escritórios foi a principal motivação para a ocupação de área no trimestre, com um peso de 78% do total do take up. Os restantes 22% distribuem-se entre a expansão de área e a entrada de novas empresas em Lisboa.

O Office Flashpoint revela que a área média por transação no 1º trimestre ascendeu a 650 m², num total de 61 operações de ocupação de escritórios. O Corredor Oeste foi a zona mais dinâmica, com 33% da área ocupada no trimestre, seguida do Prime CBD, com um peso de 27%. Do lado da procura, foram as empresas da área “Farmacêuticas e Saúde” que ocuparam mais espaço (22% do total), com os setores de “Consultores e Advogados” e de “Serviços Financeiros” a apresentarem um dinamismo equiparado, com pesos de, respetivamente, 19% e 18%.

A análise da JLL revela ainda que em março foram ocupados 8.375 m² de escritórios num total de 30 operações, com uma área média de 279 m². Destacam-se o Corredor Oeste (45% do take up mensal), a Nova Zona de Escritórios (24%) e a Zona Histórica e Ribeirinha (11%). As duas primeiras zonas acolheram as duas operações acima de 1.000 m² registadas em março, nomeadamente a instalação da VWR em 1.400 m² no Corredor Oeste e de O Parque em 1.500 m² na Nova Zona de Escritórios, uma operação também concretizada pela JLL. As empresas de “Outros Serviços” (34%), “Farmacêuticas e Saúde“ (28%) e “TMT’s & Utilities” (26%) lideraram a procura em março. Tal como no acumulado do ano, a mudança de escritórios pesou 78% na atividade mensal, contra 22% motivados pela expansão de área e entrada de novas empresas em Lisboa.