Skip Ribbon Commands
Skip to main content

Notícias

Lisboa

Maior loja da Mango em Portugal abriu nos Restauradores

JLL foi responsável pelo arrendamento do espaço no emblemático edifício Éden, no coração de Lisboa


​A Mango abriu a 1 de dezembro a sua nova flagshipstore em Lisboa. Esta megastore é a maior loja da marca de vestuário e acessórios no nosso país e dá uma nova vida à antiga Loja do Cidadão, na Praça dos Restauradores. A operação de arrendamento do espaço foi mediada pela JLL, que atuou em nome do proprietário do imóvel.

A loja ocupa três pisos do emblemático Edifício Éden, num total de 1.960 m², onde estão disponíveis as linhas Woman, Man, Kids e Violeta, bem como de acessórios. O espaço integra o novo conceito de loja “The Line”, que aposta num design minimalista e sóbrio com o objetivo de dar o máximo protagonismo ao produto e disponibilizar a maioria da coleção.

Patrícia Araújo, Head of Retail da JLL Portugal, comenta: “A abertura de flagshipstores no formato de rua é uma opção que está a ganhar cada vez mais protagonismo nas estratégias dos retalhistas de grande consumo. São lojas de grande dimensão, que proporcionam uma experiência real de compra ao cliente e que, ao mesmo tempo, conseguem apresentar as gamas completas de produto, que é algo caraterístico das lojas online. Isto tudo em localizações de rua muito movimentadas e com um elevado footfall. É o caso desta loja, que tem ainda o atrativo adicional de se localizar num edifício emblemático e com uma importante carga histórica, numa zona fortemente reabilitada”.

Com uma forte exposição exterior, a loja tem uma estação de Metro mesmo em frente, situando-se numa das zonas de maior tráfego pedonal de Lisboa, na ligação da avenida da Liberdade com o Rossio, a Baixa e o Chiado.

O Edifício Éden, em plena Praça dos Restauradores, está classificado como um Imóvel de Interesse Público, datando de início dos anos 30 do século passado. Foi originalmente projetado para acolher uma sala de espetáculo com traço do conhecido arquiteto Cassiano Branco, sendo considerado uma das mais importantes obras da arquitetura modernista em Portugal.