Artigo

Investir em residencial alternativo é a nova norma

Artigo de opinião de António Palma, Senior Consultant of Living & Alternative Investment, Capital Markets

Julho 26, 2021

Em Portugal, 53% dos investidores quer aumentar a exposição a este setor e querem investir em pelo menos 3 segmentos do setor com especial enfoque em edifícios residenciais para arrendamento e residências para séniores

Novas formas de viver e trabalhar têm sido criadas na sequência das necessidades das novas gerações que procuram cada vez mais flexibilidade, viver experiências e ter uma boa qualidade de vida (work-life balance). Estamos a viver uma nova era de globalização, com uma crescente urbanização, onde a tecnologia, flexibilidade e a partilha estão na ordem do dia.

Estes fatores, associados ao desenvolvimento económico, têm fomentado, por um lado, fluxos de migração cada vez maiores, como é o caso dos estudantes internacionais ou dos expatriados e nómadas digitais, por outro, criam pressão no preço da habitação levando a uma maior apetência por parte das famílias pelo arrendamento em vez da compra. Ao mesmo tempo, a tendência demográfica de envelhecimento da população, principalmente na Europa, tem aumentado a procura de ativos com soluções inovadoras em espaços de qualidade, que ofereçam serviços e comodidades por parte da população sénior. Deste modo, os promotores e operadores estão focados no desenvolvimento de novas soluções de habitação, mais variadas, de forma a satisfazer a forte procura. Soluções estas que pretendem oferecer a melhor experiência ao utilizador no seio de uma comunidade, criando espaços comuns e sociais e prestando todos os serviços e comodidades incluídos num preço único.

Os fundamentais já estabelecidos fomentam um crescimento sustentado do investimento no setor de Living, nomeadamente, nas residências de estudantes, residências sénior, coliving e edifícios residenciais para arrendamento. De acordo com o estudo mais recente feito pela JLL sobre o mercado de “Living” a nível europeu em 2021, a percentagem de investidores que quer investir neste setor tem crescido de forma gradual desde o 1º questionário (2019), subindo de 41% para 59% do total de investidores contactados. Em Portugal, 53% dos investidores quer aumentar a exposição a este setor e querem investir em pelo menos 3 segmentos do setor com especial enfoque em edifícios residenciais para arrendamento e residências para seniores. Os investidores já presentes neste setor querem duplicar a exposição ao mesmo, passando dos atuais 13% para 21% do total de capital sob gestão.

Subscribe

Looking for more insights? Never miss an update.

The latest news, insights and opportunities from global commercial real estate markets straight to your inbox.

Em 2020, e apesar da pandemia, o investimento em ativos do setor de Living alcançou um novo record de 83,4 mil milhões de euros a nível europeu, no qual se destacou o segmento de edifícios residenciais para arrendamento (multifamily), que mostrou ser muito resiliente face à incerteza verificada no mercado.

As razões pelas quais o setor de Living tem encabeçado a lista de preferências dos investidores, devem-se principalmente ao grande desfasamento entre procura e oferta e ao facto da oferta existente não ter qualidade (84% dos investidores), sendo que 75% dos investidores considera a resiliência deste setor e a sua capacidade de gerar rendimento estável a longo prazo como grande atrativo, enquanto 46% dos investidores indica as tendências demográficas como muito positivas. Não menos importante, este setor permite diversificar o risco das carteiras de investimento.

No entanto, como em qualquer outro setor da economia, existem também diversas barreiras ao investimento, como por exemplo a falta de produto adequado ou a dificuldade em alcançar escala imediata e de encontrar os operadores certos, com experiência e bons rácios financeiros. Os riscos da regulação, quer da falta dela quer do excesso, criam da mesma forma receio nos investidores. A regulação não é necessariamente negativa para investimentos de longo prazo em ativos do setor de Living, no entanto, deve ser justa, transparente e fiável para não dissuadir aqueles que desejam investir.

O estudo revela ainda que a grande maioria dos investidores implementa cada vez mais soluções tecnológicas e sustentáveis nos edifícios com o objetivo de cumprir com as metas de sustentabilidade a que se comprometeram, assim como, aumentar a eficiência dos edifícios, diminuir custos de manutenção e melhorar o bem-estar dos utilizadores. Acreditam também no grande aumento de investimento neste setor e na compressão das yields à medida que os vários segmentos se vão consolidando em cada geografia.

Portugal tem acompanhado estas tendências internacionais estando no mapa do investimento. Nos últimos 3 anos foram investidos mais de 850 milhões de euros em transações nestes segmentos e perspetiva-se um pipeline superior a 550M€ para os próximos meses. Projetos estes maioritariamente desenvolvidos por promotores portugueses, operados por portugueses ou estrangeiros, e comprados por investidores institucionais estrangeiros.

O mercado das residências de estudantes privadas tem-se consolidado nos últimos 3/4 anos, contando já com cerca de 5.100 camas em oferta e 11.400 camas em pipeline a nível nacional. No entanto, faltam ainda muitas mais para colmatar as necessidades dos estudantes. As residências para seniores têm gerado cada vez mais interesse por investidores, operadores e promotores. Têm-se registado muitas aquisições diretas de diversos lares em operação um pouco por todo o país por investidores estrangeiros que veem nestas aquisições a porta de entrada em Portugal de forma a criar escala rapidamente e ter acesso a equipas com conhecimento local para expandir as suas plataformas e construir novos projetos de raiz de acordo com os standards internacionais. O segmento de multifamily tem sido alvo de muito interesse por parte dos promotores que começam agora a avaliar diversas oportunidades e o coliving é ainda um mercado muito incipiente, estando a desenvolver-se a par da entrada de novas multinacionais em Portugal que atraem cada vez mais expatriados e nómadas digitais.

Portugal continuará a crescer e a desenvolver-se de forma a atrair mais pessoas, investidores e empresas, afirmando-se como um destino para visitar, trabalhar, investir e viver.

(Nota: O questionário sobre o mercado de Living foi respondido por 40 investidores que gerem mais de 9,5 biliões de euros em ativos sob gestão. O setor de Living inclui os segmentos: residências de estudantes, residências senior, coliving e multifamily (edifícios residenciais para arrendamento).

*Artigo de opinião escrito para a Visão

Contact António Palma

Senior Consultant of Living & Alternative Investment, Capital Markets

Contacte-nos

Diga-nos em que está interessado ou o que é que procura, para podermos ajudá-lo.

What’s your investment ambition?

Uncover opportunities and capital sources all over the world and discover how we can help you achieve your investment goals.