Comunicado de imprensa

JLL é líder de mercado de escritórios com colocação de 33% da área ocupada em Lisboa

A consultora imobiliária deu um contributo determinante para o desempenho do setor em 2023, gerando um terço do take-up anual em Lisboa

Fevereiro 01, 2024

Carolina Pereira

+351 910 110 201

A JLL afirma-se como líder no mercado de escritórios em 2023, sendo responsável pela colocação de cerca de 34.500 m2 em Lisboa, o equivalente a 33% de toda a atividade anual, que somou 112.500 m2. A consultora imobiliária esteve envolvida em 46 das 152 operações registadas no mercado, dando um contributo determinante para o desempenho deste setor, incluindo a realização da maior transação do ano, o arrendamento da totalidade do The Office, a antiga sede da Bayer, em Alfragide, da qual a JLL detinha o exclusivo de comercialização e que foi integralmente arrendada a uma empresa na área da saúde, envolvendo uma área de 5.800 m2. Outras operações de relevo dinamizadas pela consultora em Lisboa foram a colocação do Grupo CTT em 2.400 m2 do edifício Greenpark; da Closer em 1.400 m2 do WTC; da Hipoges em 2.085 m2 na Torre Oriente; e da Feedzai em 1.200 m2 do Exeo Lumnia.

De salientar ainda a forte atividade da JLL no mercado de escritórios Porto e Norte. Cerca de 22% do take-up no Porto em 2023, no total de 11.200 m2, foi gerado pela consultora imobiliária, que esteve envolvida em várias operações de destaque, incluindo a colocação da Planet Payment em 1.600 m2 do Trinity Porto. Realce ainda para uma operação adicional em Braga, nomeadamente a instalação da Critical Techworks em 2.000 m2 no Polo de Negócios de Braga.

Sofia Tavares, Head of Office Leasing da JLL, comenta: “Ficamos muito satisfeitos em poder contribuir para a dinamização do mercado de escritórios num ano especialmente desafiante para o setor. Acreditamos que a redução no volume de absorção sentida este ano é sobretudo um efeito conjuntural, já que as empresas continuam ativas na procura de instalações e olham até para novas localizações, como é o caso de Braga, a Norte. Os drivers da procura são mais exigentes do que nunca a nível de qualidade, flexibilidade e cumprimento de critérios ESG, e, naturalmente, o tempo de seleção e decisão acaba por ser também mais demorado, com efeitos nos níveis de absorção”.

E acrescenta: “O mercado tem condições para reativar a sua atividade para níveis médios na ordem dos 150.000 a 170.000 m2, sendo um dos melhores indicadores da solidez deste setor a sustentação das rendas apesar da compressão no take-up.”

De acordo com o Ofice Flashpoint da JLL, em 2023 foram ocupados cerca de 112.500 m2 de escritórios em Lisboa, atividade que reduz 60% face aos 272.000 m2 tomados em 2022. Esta redução acontece face àquele que foi melhor ano de sempre no mercado de Lisboa, mas reflete também o impacto negativo da conjuntura económica adversa e a menor disponibilidade de áreas de grande dimensão. No cômputo do ano foram concretizadas 152 operações (-24% do que 2022), o que traduz uma área média por operação de 740 m2, indicador que comprimiu 46% face a 2022. Relativamente às zonas de maior procura, a Nova Zona de Escritórios (zona 3) continuou a dar um dos maiores contributos para a dinâmica do mercado, com uma quota de 23% na absorção anual, logo seguida pelas zonas do Parque das Nações (zona 5) e do Corredor Oeste (zona 6), cada uma com uma fatia de 21% da absorção em Lisboa. Do lado da procura, as empresas de TMT’s & Utilities foram as mais dinâmicas, gerando 24% da absorção no mercado.

No Porto, a atividade de ocupação de escritórios em 2023 foi menos penalizada, com um decréscimo de 14% no take-up face a 2022. No ano passado, foram tomados cerca de 50.000 m2 de escritórios no Porto (58.500 m2 em 2022), registando-se 64 operações. A quebra em número de transações foi semelhante à registada no take-up (-16% face a 76 operações concretizadas em 2022), daí resultando uma estabilização da área média por operação em torno dos 780 m2. O CBD Boavista foi a zona mais dinâmica ao longo do ano, agregando 31% da ocupação registada no mercado, enquanto do lado da procura foram as empresas de TMT’s & Utilities que geraram o maior volume de ocupação, com 30% do take-up de escritórios do Porto em 2023, embora seguidas de perto pelas empresas de Outros Serviços, com uma quota de 26%. 


Sobre a JLL

Há mais de 200 anos que a JLL (NYSE: JLL), uma empresa líder mundial em gestão de investimentos e imobiliário comercial, ajuda os seus clientes a comprar, construir, ocupar, gerir e investir numa variedade de imóveis comerciais, industriais, hoteleiros, residenciais e de retalho. Uma empresa da Fortune 500® com receitas anuais de 20,9 biliões de dólares e operações em mais de 80 países em todo o mundo. Os nossos mais de 105.000 colaboradores trazem o poder de uma plataforma global combinada com a experiência local. Impulsionados pelo nosso propósito de construir o futuro do imobiliário para um mundo melhor, ajudamos os nossos clientes, pessoas e comunidades: SEE A BRIGHTER WAY.

JLL é a designação e marca comercial registada pela Jones Lang LaSalle Incorporated. Para mais informações, visite jll.com