Artigo

O Retail está de volta

Todos os passos em frente têm na sua base uma ideia, um assombro de criatividade que traz consigo uma série de mudanças a jusante.

Maio 29, 2014
O Retail está de volta

Todos os passos em frente têm na sua base uma ideia, um assombro de criatividade que traz consigo uma série de mudanças a jusante.

Até agora, a Zona de S. Paulo, apesar do seu elevado potencial, tem estado decrépita, os prédios degradados, o comércio tradicional incipiente e a definhar.

De repente, alguém teve uma ideia peregrina: reabilitar com poucos recursos um bar nocturno que, sem renegar o seu passado, pode ser frequentado por gente de todas as idades, a todas as horas da noite – a conhecida Pensão do Amor. É um local arrojado, atrevido, divertido, surpreendente, que inclui também uma livraria e um tarot. Uma das saídas dá para uma rua cujo chão foi pintado de cor-de-rosa e onde aos poucos apareceram novos espaços comerciais, que trouxeram mais gente, e a zona tem vindo a dotar-se de novos conceitos, muito pautados pela criatividade, os prédios começaram a ser reabilitados, e nesta altura o turnaround que teve por base a Pensão do Amor já vai bem longe da Rua Cor-de-Rosa. Basta passar por lá para ver o corrupio de gente, turistas e locais, que percorre aquelas ruas, consome os mais variados produtos nas muitas lojas, novas e antigas, que prosperam, faz a sua vida e se diverte numa zona até há pouco tempo não muito longe de estar abandonada.E mais, com a abertura do renovado Mercado da Ribeira, a nova sede da EDP, que albergará muitas pessoas e está em fase adiantada de construção, Lisboa apresentará mais uma zona com vida, reabilitada e com gente, que será com certeza um orgulho para a cidade. Uma zona segmentada para o seu público com os seus produtos, conceitos e experiências, numa cidade cada vez mais economicamente relevante, cosmopolita e internacional.

Esta revitalização de locais até agora praticamente abandonados, entre vários outros factores que não cabem neste breve artigo, permite-nos dizer que o consumo começa a despontar, os espaços estão aí, o Retail está de volta, o optimismo justifica-se.